Durabilidade de uma gema

Durabilidade de uma gema

Last Updated on 17/10/2020 by Prana

A durabilidade de uma gema é um dos factores mais importantes na altura de considerar um material para a sua utilização como joia. Tecnicamente, estamos a falar da capacidade que tem uma determinada pedra preciosa, de aguentar um uso normal em joalharia. Devemos então observar uma série de circunstâncias, para assim avaliar a resistência ao desgaste de um material gemológico. Sendo também importante perceber quem vai utilizar a joia, em que condições e as propriedades físicas de cada gema em particular. Os três conceitos que nos informam sobre a durabilidade, e que estão relacionados com as propriedades físicas do material, são:

  • Dureza
  • Tenacidade
  • Estabilidade

 

Dureza

Provavelmente, a propriedade física das gemas mais conhecida pelo público, é a resistência a ser riscada que tem a superfície da pedra ou material gemológico. A escala mais utilizada para medir os diferentes níveis de dureza é a Escala de Mohs. Esta medição indica a dureza relativa do material gemológico, com valores que oscilam entre o 1 e o 10. Quanto mais elevado for o número na escala de Mohs, mais duro é o material, por isso menos provável de ser riscado. O mais duro é o Diamante, a única gema que chega ao valor máximo de 10. Nos outros valores da escala encontramos várias gemas para distintos níveis de resistência.

 

Exemplos na escala de Mohs:

  1. Talco – Pode ser riscado facilmente com a unha
  2. Gipsite – Podemos riscar com a unha, mas usando mais força
  3. Calcite – Riscado por cobre
  4. Fluorite – Riscado por aço
  5. Apatite – É possível riscar com uma faca de aço, mas com dificuldade
  6. Feldspato / Ortoclásio – Podemos riscar com uma lixa para o aço
  7. Quartzo – Risca o vidro
  8. Topázio – Riscado com ferramentas de carbeto de tungsténio
  9. Corindon – Riscado com ferramentas de carbeto de silício
  10. Diamante – É o mineral mais duro, só pode ser riscado por um outro diamante

Ao ser este um dos factores que as caracterizam, não existem gemas com valores 1 na Escala de Mohs, por indicar um material fraco demais. As gemas utilizadas em joalharia com valores de Mohs mais baixos são as pérolas, a madrepérola, o coral e o âmbar. A durabilidade de uma gema pode ser assim facilmente constatada, como vemos claramente com a diferença existente, por exemplo entre um Topázio e um Diamante. O salto do número 8 que indica a dureza do Topázio na Escala de Mohs, para o número 10 que é o diamante, é substancial.

 

Durabilidade de uma gema

 

Tenacidade

Definimos tenacidade pela resistência de um determinado material gemológico a fraturar, seja por se quebrar, lascar ou rachar. Por exemplo, a tenacidade depende da quantidade de stresse mecânico a que é submetida uma gema, por impacto ou por cravação. A estrutura de cada material vai proporcionar mais ou menos tenacidade e esta também vai depender da estrutura cristalina. O Diamante é o mineral mais duro, mas não o mais tenaz. Um exemplo de alta tenacidade é a do Jade. Nas gemas, encontramos três tipos de fractura:

Clivagem: É uma fractura que segue paralela a planos da estrutura atómica, nem todos os minerais apresentam estes planos.

Partição: É uma fractura parecida ao clivagem mas ocorre em planos de geminação.

Fractura: Qualquer fractura que não ocorre nos dois planos anteriores.

Assim, precisamos saber que algumas partes das gemas são menos resistentes ao stresse mecânico ou impacto, do que outras partes. Existem minerais mais tenazes do que outros, e é preciso ter em conta a utilização de qualquer gema para poder protege-la melhor. As joias onde as gemas estão normalmente mais protegidas são colares e brincos, obviamente anéis e pulseiras encontram-se mais expostos a receber golpes acidentais.

 

Carateristicas de uma gema

 

Estabilidade

Por estabilidade entendemos a capacidade de um mineral de permanecer imutável a nível físico e químico, ao ser submetido a variáveis como: mudanças de temperatura, exposição a radiação ou a outros químicos. Algumas gemas podem perder ou mudar de cor quando sujeitas a temperaturas elevadas. A Ametista e o Quartzo Rosa, são exemplos de cristais que a exposição ao calor do sol contribui para a perca de cor. 

O choque térmico é um outro risco. Algumas gemas podem ter inclusões na forma de minúsculas bolhas de ar que ao serem aquecidas, podem estragar ou até partir a pedra. Por exemplo, o calor do sol pode fazer estalar uma opala. Os ácidos ou alguns produtos de limpeza tem a capacidade de estragar as gemas. As pérolas, a madrepérola e as turquesas, são especialmente sensíveis ao contacto com a maquilhagem, cremes e perfumes.

 

Durabilidade de uma gema

Esperamos que este artigo tenha contribuído para que fique com uma ideia mais clara sobre os elementos que contribuem para a durabilidade de uma gema. Tendo estes factores em consideração, poderá sempre fazer uma escolha mais esclarecida sobre a gema a utilizar na sua próxima joia.